Tiradentes é um exemplo de como heróis são construídos

Joaquim José da Silva Xavier, conhecido como Tiradentes, foi um mártir da Inconfidência Mineira.. Nascido em 12 de novembro de 1746, ele trabalhou como dentista, tropeiro, minerador, comerciante, militar, e também ativista político, atuando nas capitanias de Minas Gerais e Rio de Janeiro. Foi executado em 21 de abril de 1792 e sua bravura só foi reconhecida em 1867, época em que foi erguido, na cidade de Ouro Preto, um monumento em sua memória.

Foi proclamado Patrono Cívico da Nação Brasileira pela Lei 4.867, de 9 de dezembro de 1965. O título é uma homenagem às pessoas que se destacaram fazendo algo de extrema valia para o país. Tornou-se herói, como um líder entre os precursores das campanhas e lutas pela independência do Brasil (1822). A seguir, nossa FANESE destaca um texto de Nairim Bernardo, estudante de jornalismo, que escreve para a revista Nova Escola, entre outros veículos de comunicação onde faz seus artigos.
“Entre tantos personagens históricos brasileiros,[…] ninguém mais possui um feriado nacional em homenagem a sua morte. [Na realidade] […] ninguém simplesmente nasce um herói. São as ações realizadas em prol de uma causa que transformam uma pessoa comum em um personagem histórico digno de lembrança e homenagens. No caso de Tiradentes, mais do que a sua participação na Inconfidência Mineira, foi o fato de ter sido o único punido com a morte que o colocou visível aos olhos da história. Muitas outras pessoas participaram da conspiração contra a Coroa Portuguesa, mas, como não morreram em defesa dessa ideia, raramente são lembrados.
Quando foi enforcado e esquartejado, em 1792, o Brasil ainda era colônia de Portugal. Por isso, seus atos e os dos demais inconfidentes eram tidos como subversivos. Isso por que, segundo a lei do período, haviam cometido o crime gravíssimo de lesa-majestade (traição ao rei). Mas, ao contrário do que alguns acreditam, sua memória não estava completamente esquecida. ‘Em 1792, já se dizia, não abertamente, que os inconfidentes de Minas eram qualificados como traidores porque perderam. Caso tivessem vencido, seriam heróis.’, explica o professor Luiz Carlos Villalta, do departamento de História da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).
Um século depois, quando a República foi proclamada, o novo regime não tinha apoio popular. Afinal, a ideia de um governo sem rei ainda era estranha para boa parte da população. Enquanto a notícia ainda chegava em todas as casas do país (o território brasileiro é muito extenso e os meios de comunicação não eram tão ágeis quanto os de hoje), o Brasil entrou em uma grave crise econômica, o Encilhamento, em 1890 e teve a renúncia do primeiro presidente do novo regime, o marechal Deodoro da Fonseca, em 1891. Para completar, ocorriam no mesmo período a Revolta da Armada no Rio de Janeiro (1893-1894) e a Revolução Federalista no sul (1893-1895). Ou seja, a crise estava instaurada.”
Continuação de leitura sugerida: <https://novaescola.org.br/conteudo/4915/tiradentes-e-um-exemplo-de-como-herois-sao-construidos>. Acessado por <edubira@fanese.edu.br> em: 19 abr. 2018.


Parceiros

Convênios

Erro no banco de dados do WordPress: [Duplicate entry '497563' for key 'PRIMARY']